quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Depoimento de Maria José de Oliveira, de Itiúba

Maria José de Oliveira e Robério Pinto de Azeredo
.
Depoimento de Maria José de Oliveira, aos 86 anos, de Itiúba:
.
Meu nome é Maria José de Souza... Solteira, eu era Maria José de Oliveira... Nasci e cresci na Fazenda Campinhos... Eu tinha somente seis anos de idade, mas foi um acontecimento tão assim que eu lembro muito bem tudo... lembro como se fosse ontem... Em 1931, não lembro o mês, eu estava na casa do meu pai, com a minha mãe e a minha irmã... A minha mãe tinha acabado de preparar o almoço... Lá comiam dezessete pessoas... Naquele dia, ela tinha preparado uma leitoa... farofa... quando chegaram aqueles homens, a cavalo... Estavam todos montados... Tinha uma mulher com eles... O que era o chefe deles... dava para ver que era ele quem mandava... entrou na casa e foi até um móvel que tinha uma gaveta... Ali ficavam guardadas as coisas da família... Ele pegou uma faca e começou a forçar a gaveta para abrir... A minha mãe, Abrosina Maria de Oliveira, não deixou... Chegou perto e pediu a ele que não arrombasse a gaveta... Que ela daria um jeito naquilo... O meu pai era quem sabia onde estava a chave, mas ele tinha saído para ir na casa da minha avó Elvira... que era mãe dele... Então, minha mãe pediu à minha irmã, Edite Maria de Oliveira, que casada virou Edite Maria Brasileiro, que fosse chamar meu pai... E ele veio logo... Enquanto isto, os cangaceiros pediram à minha mãe para botar o almoço para eles... Como tinha a leitoa pronta, com farofa, minha mãe foi colocando a comida no prato e passando para eles... Ele lembro de eu ficar com medo, atrás dela, enquanto ela se mexia rápido pra colocar o almoço... Eles estavam comendo quando o meu pai chegou... Ele se apresentou e foi pegar a chave... Abriu a gaveta e os homens pegaram tudo... Tinha muito dinheiro... muitos réis... e anéis e cordões de ouro... Pois eles levaram o dinheiro e os ouros... Meu pai conversava com eles, quando eles comiam... Ele perguntou a um homem como chamava o nome dele... Ele disse que era Volta–Seca... E o meu pai perguntou como se chamava a mulher... e ele disse que ela se chamava Iolanda...
Eles, então, foram saindo com os pratos na mão... comendo... Levaram os pratos... Então, eles montaram e foram até a casa da minha avó Felícia, mãe da minha mãe, que eles tinham sabido que tinha ouro... Mas ela negou... Eles exigiram... e ela negou que tivesse... Aí bateram nela muito...
Então, pediram ao meu primo Anjo... o Ângelo... para levarem eles até o Ariri... É que lá morava o Manezão, e eles tinham informação que ele também tinha muito ouro... que era rico... Saíram daqui e seguiram em direção a Pintada... que é caminho de Ariri... Mas o meu primo, não sei como, conseguiu desviar eles em direção ao Umbuzeiro... Acabaram deixando meu primo para trás...
A minha mãe, depois, foi um pouco no rastro deles e disse...
-Olha um prato ali!
Eles foram comendo, acabando, e jogando os pratos pelo caminho...

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário