terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Depoimento de José Moura de Oliveira, o Seu Nôza, de Queimadas


.
Depoimento de José Moura de Oliveira, o Seu Nôza, de Queimadas:
Eu nasci a 23 de fevereiro de 1925... Meu nome é José Moura de Oliveira, mas este quase ninguém conhece... Em Queimadas eu sou o “Seu Nôza”... É um apelido que minha irmã me deu, quando me viu, quando eu ainda era bebê. Ela vivia me chamando assim. As pessoas achavam engraçado e acabaram pegando... Ficou... pegou... O certo é que eu tinha quatro anos e dez meses quando as coisas que conto aconteceram... O que eu vi e lembro digo... O restante, fui ouvindo o que as pessoas que viveram me contavam... Como eu sabia ser algo importante... uma façanha... guardei bem na memória...
Junta-se aí o que eu vivi, o que eu vi, com o que ouvi dos demais...
O bando atravessou o Itapicuru na antiga passagem, que era bem eprto do chalé do coletor João Lantyer... O rio estava muito cheio, e a travessia só podia ser feita de canoa...
E foi por volta de dez e meia da manhã, quando entrou em Queimadas em ordem um grupo de uns quinze a vinte armados em formação. Pareciam ser uma volante, porque as volantes rodavam com roupas muito parecidas com as dos cangaceiros. Todos achavam que era volante mesmo, porque um comandante de volante tinha mandado avisar ao sargento Evaristo que estava vindo para almoçar com ele...
Isto contado por Zumira Lantyer, irmã de João Lantyer, estava no chalé do irmão com outras amigas, ensaiando “As pastorinhas”... Quando ela viu esse grupo e as meninas correram a olhar e disseram a ela que era uma volante, o que ela contestou. Disse:
– Que nada! É Lampeão!
É que ela, dada a ver e ler revistas, já tinha visto imagem de Lampeão e do bando... E chamou a atenção das amigas pro menino que ia com eles... Apontou:
- Olha ali o menino!
Ela saiu rápido, avisando todo mundo que podia, mas ninguém acreditou nela... Todo mundo só dizia:
– Que nada! É a volante!
Imagina o desespero...
E o Lampião parecia conhecer muito bem a cidade... Foi direto ao objetivo, não se antes mandar dois cabras irem na estação ferroviária cortarem os fios da comunicação. E também pegar todo o dinheiro que havia lá...
Eu tinha ido levar a comida do compadre da minha mãe, Maria Cecília de Oliveira, mais conhecida por Dona Marocas, que estava preso... Lá havia nove presos de Itiúba, pois ela pertencia a Queimadas... Itiúba era vila de Queimadas... O preso que eu ia levar comida todos os dias era de lá. E a minha casa era assim, bem de frente para o quartel.
Havia dois presos que eram contratados da polícia mesmo, que haviam discutido com um homem aqui e matado ele na praça... E também um preso que era daqui de Queimadas, que matou um senhor da cidade... Este estava preso porque o senhor que ele matou havia bolido com uma menina da cidade, e a família tinha mandado ele para matar o homem... Acabou pego.
Eu cheguei na porta do quartel e vi dois soldados no chão jogando um jogo que eles iam movendo umas pdrinhas e fazendo marquinhas do lado, para as pontuações. Eu estava ali, com a comida ainda, quando entrou Lampião... Lembro bem dele, do que aconteceu, de ter ouvido ele falar e o que falou... Não posso lhe dizer a cor da roupa que ele usava... porque eu só me lembro que fiquei impressionado com a quantidade de armas... e como ele trazia muita coisa carregando... Estava cheio de carticheiras... Ele chegou e passou bem assim, entre eu e os soldados, na frente de uma fila. Fizeram uma volta no salão, contornando os soldados.
Os soldados levantaram na hora e bateram continência, pensando também que era a visita que estavam esperando. Então foi só o tempo dele dizer:
– Baixem o braço, macacos, que eu sou o bandido Lampião!
Eu vi que tinha alguma coisa errada, pela cara dos soldados, e fui saindo. Olhei para trás e vi, lá no fundo, dois cangaceiros que entraram por trás, pelo fundo do quartel... Lampião olhou para eles e disse logo:
– Tudo em ordem!
Sinalizou com a mão, estendendo a palma... A situação estava dominada.
Quando fui saindo... E vi que tinha mais cangaceiros do lado de fora, na frente do quartel... Um de cada lado da porta, apontando as armas para dentro, e um assim, abaixado, perto da janela, com um revolver na mão.
Quando eu cheguei no meio da rua, ouvi um apito e olhei para trás. Vi Lampião do lado de dentro da janela, meio abaixado, e percebi que ele é que tinha apitado para chamar os soldados...
No final, ele tinha recolhido todo mundo... todos os soldados... e soltado os presos... O sargento Evaristo, muito boa pessoa, não estava ali de jeito nenhum... Chegou para ver quem tinha apitado chamando e foi preso.
Eu cheguei em casa, e o meu pai estava falando para uma amiga da família que não tinha nada de Lampião ali... Que era a volante pernambucana que tinha ficado de vir almoçar na cidade.
Eu, então, falaei pro meu pai como foi que aconteceu. Mostrei imitando como os soldados bateram continência e o que Lampião disse.
Meu pai daí falou:
– Então estamos desgraçados, com os bandidos na praça...
Lampião disse para os cangaceiros:
– Perambulem e nada de desrespeitar as famílias! Digam a elas que o que fizerem eu garanto!
E teve o negócio engraçado do Zeca de Canju... Canju era o apelido da mãe dele...
Avisaram a Zeca, que estava perto do rio, que os cangaceiros tinham chegado. e ele, sem saber que estava vindo pra eles, correu e entrou na cidade.
Um cangaceiro viu e pulou na frente dele:
– Tá indo aonde assim?
Ele tentou disfarçar e contou um caso besta pra explicar a pressa... O cangaceiro não enguliu e disse:
– Que nada! Vamos que você vai falar com o capitão!
Lampião encarou a coisa na boa. Ainda mais que Zeca de Canju começou a mostrar admiração verdadeira por ele. E começou a pergunar pelas armas e, finalemnte, como ele poderia fazer para ser um cangaceiro também.
– Mas você quer mesmo? perguntou Lampião.
E deu uma faca pro Zeca... que enfiou no cinto mal enfiada.
Lampião olhou e mostrou a ele como enfiar a faca certo. e disse:
– Se você enfia daquele jeito, dá tempo do cabra pegar você. Assim, como coloquei, você puxa rápido e bota na frente de quem está te atacando.
E o Zeca de Canju ficou acompanhando os cangaceiros pra lá e pra cá.
Depois, Lampião foi para a casa do juiz, o doutor Hilário... com quem ele fez poucas e boas, desmoralizando... e exigiu que ele fizesse uma lista com os nomes dos homens principais de Queimadas, escrevendo também quanto cada um deles teria que dar... E o juiz teve que chamar as pessoas em casa para entregar o dinheiro... Saiu o Alvarino, oficial da Justiça, para intimar as pessoas a comparecerem logo na casa do juiz...
O meu pai, escrivão estadual aqui, por nome Francisco de Moura e Silva... mais conhecido por Catita... teve que contribuir também...
Ele chegou para o meu pai e disse:
– O juiz escreveu que o senhor tem condição de dar 2 contos de réis...
O meu pai respondeu:
– Capitão... Não tenho essa soma não... O meu dinheiro é todo em mercadorias e trabalhos... Eu posso até fazer mais que isso, se tiver tempo... Eu respeito o juiz, mas eu não teria condição de dar o que ele escreveu aí, não
Ele disse:
– Não tem problema... Eu sei que preto só fala a verdade pela manhã e, com tanto bandido assim, por perto, esse juiz não vai falar a verdade e não é pra confiar, nem que fosse de madrugada... Eu não quero incomodar ninguém além das sua sposses... Quero só aquilo que não cause constrangimento... O que o seu Catita tem pra mim? senhor pode me dar quinhentos mil réis?
– Quinhentos tenho em dinheiro sim, capitão!
Chamou, então, um amigo de meu pai, o Hermelino Barbosa de Souza... e disse que ele também estava anotado para dois contos de réis.
Ele disse:
– Capitão... Faça minhas as palavras de Catita...
Lamprão respondeu:
– O senhor pode me dar oitocentos mil réis?
Hermelino concordou e o acerto foi feito. Eles saíram para buscra o dinheiro.
Quando meu pai entregou o dinheiro, Lampião disse:
– Seu Catita... Se por este dinheiro a sua família for sofrer algum constrangimento, pode tirar.
Meu pai disse que estava tudo bem.
Acontece que os cangaceiros ficavam passeando pela cidade e deixavam sempre dois de guarda no quartel, revezando, cuidando dos soldados... Uns vigiavam enquanto os outros iam pegar seus dinheiros.
Em uma casa, tinha a Santinha, que era bem nova e ingênua... Nem pensou e ficou usando umas jóias... ela estava com uma muito bonita, quando Mariano olhou e disse para ela que ela deveria dar aquela jóia para ele.
Ela disse que não podia dar.
Ele disse:
– Me dá que eu vou precisar porque vou encontrar uma mulher muito bonita e quero dar a ela.
Santinha disse:
– Esta jóia foi da minha bisavó... da minha avó... da minha mãe... agoa é minha... Não dou nem vendo... Mas se você me tomar, não posso fazer nada... e eu protejo minha consciência...
Mariano arrancou a jóia... que eu não sei como era, e disse:
– Olha... me diz uma pessoa na cidade que você não goste... O capitão disse pra não matar ninguém... mas eu posso matar sim... é só dizer que ela tentou me tomar a arma ou fazer algum mal... escolhe alguém que eu mato.
Ela disse que se dava bem com todo mundo... Que não tinha porque mandar matar ninguém. Então, ela disse:
– Quando for sua vez de dar guarda, deixe os soldados fugirem... Vá com eles... Depois que os cangaceiros forem embora, volte... Eu lhe garanto. Meu marido pode. Tiro você dessa vida... e coloco na polícia.
Mariano disse:
– Senhora... Se isso acontecesse seria um sonho e tudo o que eu sempre quis... Não tem coisa melhor no mundo pra mim... Mas se eu fizer isso, a senhora não conhece o capitão... Pode ser que ele mate a população da cidade toda por causa disso,..
Então ela resolveu particularizar o caso e disse:
– O sargento é uma pessoa muito boa... muito religioso... É batista... irmão de fé... Quero que solte ele.
Mariano olhou e respondeu:
– Não posso garantir nada... mas vou ver se arranjo a coisa pra senhora.
Ele encontrou Lampião, chamou no canto e conversou com ele.
Lampeão disse:
– Mas, Mariano! Como é que você faz um acerto desses? Você sabe que eu não poupo macacos! Você sabe que os macacos mataram a minha mãe e o meu pai e ficaram soltos! Se tivessem pago, eu não teria tanta raiva assim! Se Deus permitisse que a minha mãe descesse dos céus e ela viesse vindo na estrada, na minha frente, e eu fosse atrás dela... e eu visse um macaco... eu passo por ela e eu vou lá matar ele antes de tomar a bênção dela!
Foi até o canto, voltou–se e disse pra Mariano:
– Mas você, hein?
Ficou ali, pensando, depois disse que estava tudo certo, que ia poupar o sargento:
– Tá garantido! Se depender de mim, morre de velho!
Então, umas seis horas, ele pediu às pessoas que se protegessem atrás de paredes, porque não queria que, tendo pensado o que ia acontecer, pudesse algum civil se ferir... Ele mostrou esta preocupação com o pessoal... O problema dele era mesmo com a polícia... E ele foi até a prisão...
O sargento, liberado, sabendo o que ia acontecer, pediu:
– Capitão... Gostaria de sua permissão pra me afastar e não ver a morte dos meus soldados... Se não puder, queria que o senhor me matasse... e por primeiro... anets de todos eles.
Lampião olhou e mandou:
– Vá se embora!
Fizeram um anel assim, na saída, de uma janela a outra, na porta. E ele mandou sair o primeiro preso... Quando ele saiu, tinha aquele círculo de cangaceiros de frente pra porta... E ele disse:
– Tira a caneleira, aí!
Os soldados usavam umas caneleiras então... Ele baixou e levou um tiro na nuca...
Aí, Lampião dizia:
– Que venha outro!
O segundo ficou rogando pra não morrer, mas Lampião dizia:
– Tira a caneleira, macaco!
– Pelo amor de Deus! Não faça isso! Eu tenho filhos para criar!
– Tira a caneleira, macaco!
Aí, ele atirou. O tiro foi na boca do soldado que já caiu, na hora...
O meu pai me colocou pra dentro... Não era pra ver mais nada.
Os cangaceiros pegaram e colocaram ele assim, deitado do lado do outro... na calçada da prefeitura.
E chama o terceiro:
– Venha outro!
Este terceiro criou problema... Era magrinho tuberculoso mas até que disposto... por nome Evaristo... Eu sei, hoje, que o nome dele não era Evaristo, mas, na época, eu achava que era, porque, quando eu fui lá, ele se identificou assim pra mim... e eu chamava ele por Evaristo... Ele até me chamava de Catitinha, por causa do meu pai.
E foi este que quando Lampião mandou:
– Tira a caneleira!
Ele reagiu:
– Não tiro!
– Tira a caneleira, macaco!
– Não tiro! Não recebo ordem de bandido!
E começou a xingar Lampeão, chamando ele de froxo. Disse que ele não tinha mesmo coragem e que só pegando ele na traição pra ter vantagem... E pediu uma faca pra brigar com ele de igual... Até tabefe ele tentou dar em Lampião... Ele deu um jeito e pulou pra frente com uma disposição muito grande para dar a bofetada... Mas os cangaceiros seguraram ele, e um mandou um tiro que jogou o soldado no chão.
Aí, o Volta–Seca pediu:
– Meu padrinho! Deixe eu sangrar esse, que é atrevido!
Lampião fez que sim, e Volta–Seca foi até ele e sangrou... Passou a faca...
Uns dizem que ele bebeu o sangue... outros que, quando acabou de sangrar os soldados, foi pegar a faca e lamber... Depois, dando uma de bom, em Salvador, já preso, disse por aí que não teve nada disto... Teve! Ele deu as facadas e meteu a boca onde o sangue saía e chupou! E lambeu! Tanto que vomitou três vezes... Uma no passeio do açougue... Outra em frente à igreja... A última vez foi no passeio do clube, hoje Avenida Nonato Marques....
.
José Moura de Oliveira - O "Seu Noza", de Queimadas
.
Foi aí que a minha irmã Judite deu um grito vendo a morte deste terceiro... Não suportou. Teve uma crise muito grande. O meu pai tirou ela e colocou pra dentro.
O meu pai, o seu Catita, ele estava preparado, em casa, com uma malinche... Ele até tinha se preparado pra enfrentar e sair atrás dos cangaceiros... Então, se descobrissem, ele estaria perdido...
E ele se revoltou tanto com o que estava vendo, que pegou a arma e avançou em direção à janela... Ele disse...
– Sou bom de tiro! Acerto esse Lampião daqui! Bandido infeliz! Eu mato esse bandido!
A minha mãe correu e segurou ele e a arma. E ela pediu pra ele não fazer aquilo.
Ela, então, disse:
– Sei que você é bom de pontaria. Que pode acertar ele daqui e matar com um tiro. Mas e vai acontecer o que depois? Tem um monte de cangaceiros lá fora! Eles te matam e matam a mim e às crianças depois! Não tem como dar conta de todos!
O meu pai ponderou, e entregou a malinche a ela.
Depois da morte deste terceiro, bagunçou tudo... Foi um tumulto lá com os soldados, que gritavam desesperados. Não teve mais ordem e teve soldado ferido dentro do quartel mesmo.
E ele matou os sete soldados... Só poupou o sargento Evaristo...
Na festa, podia dançar, mas não podia conversar. as moças ficavam ali, no canto... os cangaceiros podiam ir lá e tirar pra dançar... E dançavam sem abusar ou desrespeitar... Os da cidade convidados também tinham que ficar sem falar com elas... Só podiam dançar... Ficavam afastados.
Teve coisa de Fé nessa da dança... Dona Anízia, filha de Hermelino Barbosa, fez promessa a São Geraldo, de rezar em família, se Lampião não mandasse buscar as moças da rua de cima para o baile... Se fosse dançar, que ficasse com as moças da rua de baixo...
Quando foram buscar moças para dançar. Um cabra de Lampião pegou um filho de Pedro Primo para ir buscar com ele as irmãs... na rua de cima... No caminho, ele perguntou se era longe... Eles estavam já bem na frente da igreja, pertinho da casa, e o jovem falou isso... mas o cangaceiro olhou e disse:
- Deixa lá que é muito longe... - e voltou.
O interessante é que, depois, esse mesmo cangaceiro foi buscar uma moça no Alto da Jacobina... Era três vezes mais longe e com subida... E foi lá com um primo da moça pegar ela...
Lampião disse que não tinha medo da polícia, porque os macacos tinham medo dele.
– Quando me vêem tremem tanto pra dar tiro que é só tiro pro céu e tiro por chão... e ficam só no céu! chão! céu! chão! céu! chão! E eu miro bem certinho dentro deles.
A essa altura, já tinha gente ido até a próxima estação e mandado aviso que Lampião estava saqueado Queimadas... O seu Golveia, coitado, mestre de linha da Leste, sofria de artrose nos joelhos e tinha dificuldade de andar... Ele estava indo para a casa do juiz, quando topou com um cabra de Lampião, que pediu dinheiro... Ele disse que estava sem nada, pois estava somente indo visitar um amigo... O cangaceiro mandou ele ir em casa buscar e foi para o otruo lado... Ele foi agé a estação e foi o mais rápido que pode, coitado, até Várzea do Curral... São seis quilômetros... Lá estavam trabalhadores fazendo reparos na linha... Ele praticamente desmaiou quando chegou lá... Foi colocado num troiler e levado até Santa Luzia... Golveia, aí, avisou todos lá do que estava acontecendo...
Avisaram todos por morse... A polícia organizou uma classe de 52 soldados... e tocaram pra cá.
De madrugada, Lampião chamou todos os cangaceiros e o bando ia partindo, quando ele olhou para Zeca de Canju e viu que ele estava assim, mais quieto... perguntou o que estava acontecendo.
Ele disse que estava pesnando melhor e que, quando se viu partindo, pensou como ia fazer com a mãe dele... que precisava muito dele, filho único, para cuidar... E que isso o entristecia.
Lampião, então, autorizou ele a partir... Imagina... Zeca de Canju tinha mais onze irmãos...
E o bando sai da cidade... Um vaqueiro, que não sei mais o nome, ouviu quando Lampião falou...
- Que cidade feiticeira!
Interrogado pelos cabras, ele disse:
– Vim pegar o leite e esqueci da vaca!
Os cangaceiros, estranhando, perguntaram o que era e ele disse:
– Esqueci a Coletoria!
Eles se olharam e disseram:
– A gente volta!
Lampião fez que não. Disse que nunca tinha voltado pra um lugar, depois de ter saído dele.
Os cangaceiros deram idéias.
- Capitão. Pra ir buscra o dinheiro na Coletoria, não precisam ir todos. O senhor escolhe três que irão com o canoeiro à casa do coletor... e trarão o dinheiro... Isto não é voltar...
Lampião, apeado do cavalo, ficou assim, com um braço sobre a sela, pensando.
Sendo fim de mês, todos sabiam que a Coletoria devia estar com as burras cheias...
Andou um pouco. Ficou de cócoras... pensando... rabiscando um pouco no chão... Levantou–se e colocou a mão no queixo.
Antes dele falar qualquer coisa, o trem chegando apitou.
Aí disse:
– Munta todo mundo! Ali pode vir macacos. Simbora!
Teve também coisa de Fé em Cristo, envolvida no episódio... A minha mãe, dona Maria Cecilia de Oliveira Moura, mais conhecida por dona Marocas, ao ouvir a minha afirmativa da presença de Lampião na cidade, fez uma promessa à Imaculada Conceição... que se Lampião esquecesse da Coletoria, que o meu pai era responsável, todo sábado ela rezaria em família, em sua honra, o Ofício da Imaculada Conceição... Acontece que, naquele tempo, se o dinheiro fosse roubado, o responsável, que era em Queimadas, o meu pai... tinha que devolver tudo...
Lampeão continuo seguindo... Chegou lá adiante, na Fazenda Marizinho, a uns três quilômetros de distancia, Lampião parou um vaqueiro e mandou:
– Vá em Queimadas e diga que os cangaceiros ficaram aqui, e estão bêbados dormindo em "baijo" dessa cajazeira...
E preparou uma armadilha. Era uma cilada.
O vaqueiro veio e disse ao tenente aquilo que ele tinha dito, mas disse que os cangaceiros estavam memso muito bêbados e que só Lampião estava sóbrio.
Os soldados cercaram o tenente Geminiano, pedindo pra ir atrás dos cangaceiros... Tinham ali a informação.... E o tenente foi ficando nervoso, perdendo o controle... Então... ele defecou... Foi algo que comentaram muito depois... Não que ele fosse covarde, mas a pressão fez ele ficar com medo e aconteceu aquilo... Tiveram que socorrer ele... e acalmar... e limpar... Tiveram mesmo que dar uma limpeza na roupa e nele.
Quando ele se recuperou, disse que não autorizava a perseguição, porque tinham era que proteger a cidade de Santa Luzia, que Lampião poderia estar indo para lá... Tinham que organizar a defesa.
Os soldados, quando ouviram isso, com o corpo dos companheiros ali, ficaram com muita raiva, chorando mesmo... Foi uma comoção muito grande.
Por causa disso, veio uma determinação depois da Secretaria de Polícia... dizendo que em caso de negativa de oficial combater, se houvesse soldados dispostos, que se agrupassem em torno do mais antigo e partissem.
O sargento Evaristo ficou muito abalado... Muito mesmo... Cabisbaixo o tempo todo... e era um homem tão bom...
Eu, da janela, vi só a confusão de gente lá de pé, perto de onde estavam os corpos dos soldados.
O sargento Evaristo chegou a ser expulso da Polícia... Acusaram ele de ter favorecido Lampeão... De ter feito acordo com os cangaceiros... e traído os soldados... Mas ele questionou e o caso foi rejulgado... e ele foi inocentado e muito elogiado...
Lampião tinha dito que ele ia morrer de velho... Pois ele foi, depois, para Santaluz, onde abriu um comércio e morreu mesmo... de velho...
.
Para utilizar as matérias deste blog, atentar para:
Como citar
.

Um comentário:

  1. Meu nome é Kelly Cristina de Moura , moro atualmente no interior de SP , mas o Moura de minha familia mais distante que tenho informaçao é de meu bisavo , Virtulino Augusto de Moura , foi casado com Julia de Moura uma Pernanbucana, sei que ele tinha descendencia francesa , era loiro de olhos azuis , morava no Rio de Janeiro e trabalhou muitos anos para Light no Rio de Janeiro , nao sei se ele nasceu no Rio , se alguem tiver alguma pista pq desconfio que ele mudou para o Rio mas nasceu para os lados ds Bahia , agradeço desde ja!Email kelly@fasternet.com.br

    ResponderExcluir